O Indubrasil

Um zebu de dupla aptidão, formado a partir dos cruzamentos entre o Gir, Guzerá e Nelore, reunindo as vantagens das trâs principais raças indianas importadas pelos brasileiros, o Indubrasil foi desenvolvido para ser uma grande opção para a pecuária tropical. Considerando sua vocação natural e suas características funcionais, é uma raça produtora de carne e de leite.

O Indubrasil está pronto e apto para continuar desenvolvendo uma função importante na pecuária tropical, como raça pura, mas especialmente nos cruzamentos para produção de carne e de leite. é um zebu equilibrado, que atende a uma pecuária moderna e produtiva, em um modelo de produção sustentável. Um zebuíno rústico e que produz essencialmente a pasto, mas que responde com grande eficiência a um sistema de produção mais intensivo.

Tem como características principais: docilidade; rusticidade; longevidade; excelente ganho em peso a pasto ou em confinamento; precocidade de acabamento de carcaça; boa conformação frigorífica; excelente habilidade materna; boa conversão alimentar; fertilidade; precocidade sexual e bom intervalo entre partos; cobertura muscular e rendimento de carcaça. Excelente adaptação a todos os sistemas de manejo e em todas as regiões.

As vantagens econômicas e produtivas na utilização da raça fez com que, atualmente, muitos países também utilizem o Indubrasil, tanto como animal puro, quanto na forma de material genético (sêmen e embriões). México, Estados Unidos, Austrália, áfrica do Sul, Tailândia e muitos outros países de todos os continentes com clima tropical e subtropical utilizam a raça com grande sucesso.

A maior vantagem na utilização do Indubrasil é o cruzamento com qualquer outra raça bovina, que sempre dará um ótimo produto, sendo por consequência indicado para a produção de mestiços de baixo custo e ótimo desempenho produtivo, para o corte ou para a produção de leite. é o zebu mais versátil, dando ótimos resultados com qualquer raça europeia ou zebuína.

Raça produtora de leite. O Indubrasil é leiteiro, sem buscar uma produção de leite que prejudique sua rusticidade e a produção de carne, tendo que apresentar um tipo de carcaça adequada para o corte, evidenciando sua capacidade de produção economicamente viável e com um leite saudável;

Para a produção de leite, destaca-se no cruzamento com o gado holandês. O nome deste produto é Indolando. O registro oficial desta raça sintética é responsabilidade da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu e da Associação Brasileira dos Criadores de Indubrasil, que realizam o serviço através dos técnicos de campo da ABCZ.

Em torneios leiteiros, vacas puras chegam a produzir 35 a 40 quilos de leite por dia, o que é um resultado muito expressivo para uma raça zebuína. Já as vacas Indolanda meio sangue, em torneios oficiais, chegam à marca de 50 a 60 kg / dia. Em regime de campo, ou seja, nas propriedades rurais que produzem leite com uma tecnologia usual, a média das Indolandas é excelente, entre 20 a 25 quilos de leite dia, em duas ordenhas diárias.

Além da produção de leite, como a raça é de dupla aptidão, carne e leite, um reprodutor Indubrasil cruzando com vacas leiteiras produz um excelente bezerro de corte, com elevado ganho em peso e grande porte quando atinge a idade de abate, superior às demais raças, gerando uma renda extra e importante para o pequeno, médio ou grande produtor.

Indubrasil é um excelente produtor de carne. O touro Indubrasil em vacas Nelore dá um ótimo resultado, pois suas vantagens econômicas são facilmente observadas, porque as crias deste cruzamento apresentam: maior ganho de peso; mais docilidade; maior peso ao desmame; boa conformação frigorífica; precocidade no acabamento da carcaça; excelente habilidade materna das filhas deste cruzamento. Também não se pode deixar de ressaltar que, nos confinamentos, estes produtos mestiços de Indubrasil são os mais produtivos.